1 comentários

Leia este artigo em:

Diversidade de Yersinia enterocolitica nos matadouros franceses

É importante estudar a diversidade das estirpes de Yersinia enterocolitica com a finalidade de compreender melhor o risco que representam para os seres humanos.

4ª feira 28 Março 2018 (há 1 anos 4 meses 25 dias)
1 gosto

A yersiniose é uma doença humana devida, principalmente, à ingestão de carne de porco crua ou pouco cozida contaminada com Yersinia e, sobretudo, com a espécie Yersinia enterocolitica. Dado que 74,3% dos lotes de porcos nos matadouros de França são portadores de Y. enterocolitica, considerou-se importante estudar a diversidade destas estirpes para compreender melhor o risco que representam para os seres humanos. Um inquérito realizado em 2009 num matadouro (A1) e em 2010-2011 em 16 matadouros (A1- A16) estabeleceu uma colecção de estirpes de Y. enterocolitica representativas das estirpes suínas encontradas em França.

De entre estas estirpes, 316 estirpes isoladas em 2009 no matadouro A1 e 64 estirpes isoladas em 2010 nos matadouros A1 e A2 foram biotipadas e caracterizadas geneticamente pelos seus genes de virulência e o seu perfil Xba1 - PFGE. Através de PCR detectou-se o gene de virulência cromossómica que codifica uma adesina (ail), uma enterotoxina (ystA) e fimbriae (myfA) bem como a presença do plasmido de virulência (pYV). Os perfis de PFGE das estirpes determinaram-se com a enzima de restrição XbaI. O biotipo 4, responsável pela maioria dos casos clínicos em humanos, representou 89,5% das estirpes e o biotipo 3 apenas 8,5%. Identificaram-se 12 perfiis de PFGE com um comum para ambos os anos do inquérito e para os dois matadouros. Contudo, sete novos perfiis de PFGE apareceram em 2010 e quatro observados em 2009 estavam ausentes em 2010. Entre as 380 estirpes, 88,1% tinham todos os genes de virulência analisados. Este perfil de virulência foi detectado para os dois biotipos. Algumas estirpes (11,8%) não tinham o plasmido.

Os resultados do estudo revelaram que a população de Y. enterocolitica no porco pode modifica-se com o tempo e que as estirpes têm a capacidade de infectar os seres humanos.

Pierre Raymond , Annie Labbe, Marc Fondrevez, Catherine Houdayer, Martine Denis, Emilie Esnault. Diversity of Yersinia enterocolitica in French slaughterhouses. 49e Journées de la Recherche Porcine.

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
29-Mar-2018RePaixaoRePaixaoOlá,
fiz meu doutorado com Listeria monocytogenes e Yersinia enterocolitica, bem como no trabalho aqui exposto.
comparei inclusive com estirpes de humanos, de 30anos antes, e algumas se mantem estáveis. O que não entendo é como ainda não se provou a transmissão direta (em um surto ou caso) para os humanos.
Quem sabe um dia algum grupo consiga!
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags