Leia este artigo em:

Efeito do excesso de glucogénio sobre o pH final do músculo oxidativo

Em comparação com os músculos glicolíticos, os músculos oxidativos contém níveis mais baixos de glucogénio antemortem que pode contribuir para um pH final maior.

4ª feira 18 Janeiro 2017 (há 1 anos 6 meses 5 dias)

O conteúdo em glucogénio do músculo esquelético pode afectar o grau de diminuição do pH postmortem. Em comparação com os músculos glicolíticos, os músculos oxidativos contém níveis mais baixos de glucogénio antemortem que pode contribuir para um pH final maior.

Num esforço para investigar mais a fundo o papel do glucogénio no metabolismo postmortem, postulou-se que o aumento da disponibilidade de glucogénio poderá conduzir a uma diminuição adicional do pH nos músculos oxidativos, com valores similares ao pH final dos músculos glicolíticos. 

Foi comparada a glicólise e a descida de pH nos músculos longissimus lumborum (glicolítico) e masseter (oxidativo) de porcos, usando um sistema in vitro na presença de excesso de glucogénio. O pH final do sistema que continha amostras de longissimus lumborum alcançou um valor semelhante ao observado no músculo intacto. A diminuição do pH do sistema que continha amostras de masseteres deteve-se prematuramente dando como resultado um pH final superior, similar à do músculo masseter intacto. Para investigar mais a fundo, titularam-se amostras de longissimus lumborum e masseteres triturados num tampão de reacção. À medida que a percentagem da amostra glicolítica aumentava, o pH final diminuía.

Estes dados mostram que o músculo oxidativo produz carne com um pH final maior independentemente do conteúdo de glucogénio e sugerem que os factores musculares inerentes associados ao músculo glicolítico controlam o grau de diminuição do pH nos músculos suínos.

Eric M. England, Sulaiman K. Matarneh, Emily M. Oliver, Ariel Apaoblaza, Tracy L. Scheffler, Hao Shi, David E. Gerrard. Excess glycogen does not resolve high ultimate pH of oxidative muscle. Meat Science, Volume 114, April 2016, Pages 95–102.
doi:10.1016/j.meatsci.2015.10.010

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags