Leia este artigo em:

ESVAC 2016: Diminui a venda de antimicrobianos para veterinária

A Agência Europeia do Medicamento publicou os dados sobre vendas e prescrições de medicamentos veterinários num total de 30 países europeus - 29 países em 2016.

2ª feira 29 Outubro 2018 (há 1 anos 1 meses 7 dias)
gosto

O último relatório mostra que as vendas de antibióticos para uso em animais na Europa reduziram-se em 20% entre 2011 e 2016 (os dados abarcam os 25 países que proporcionaram dados para este periodo).

O relatório também mostra que a situação na Europa continua irregular. Em 16 países, as vendas desceram pelo menos 5%, mas 6 países registaram um aumento de mais de 5%.

A diminuição substancial em alguns países indica que também existe a possibilidade de uma diminuição noutros países.

O relatório apresenta uma gran diferença nas vendas, expressa em mg/PCU (Unidade de Correcção Populacional), entre os países de maior e menor venda (intervalo de 2,9 a 453,4 mg/PCU). Para os 30 países as vendas médias totais em 2016 foram de 124,6 mg/PCU (135,5 mg/PCU en 2015), enquanto que a média situou-se em 57,0 mg/PCU.

Distribuição espacial das vendas totais de todos os antimicrobianos para animais produtores de alimentos, en mg/PCU em 2016.
Distribuição espacial das vendas totais de todos os antimicrobianos para animais produtores de alimentos, en mg/PCU em 2016.

Parte destas variações devem-se às diferenças na composição das populações animais e nos sistemas de produção nos vários países. Existem variações consideráveis quanto à dose diária usada para os diferentes agentes antimicrobianos e para as formas farmacêuticas e duração do tratamento. Estes factores apenas podem explicar as diferenças nas vendas observadas entre os 30 países, pelo que também devem ser considerados outros factores.

Alguns países alteraram os sistemas nacionais de recolha de dados ao longo dos anos (por exemplo, a Eslovénia em 2013, a Espanha em 2014 e a Roménia em 2015) e/ou identificaram a falta de informação em alguns dos anos (por exemplo, a Bulgária em 2014, a Espanha em 2014). Isto poede ter impacto na forma dos dados apresentados neste relatório, não devendo ser utilizados para a comparação directa entre países sem ter em conta as diferenças entre eles e que as alterações observadas ao longo dos anos para certos países devem ser interpretadas com cautela.

Na totalidade dos 25 países foram proporcionados dados para todos os anos entre 2011 e 2016. Para estes países, foi observada uma diminuição geral das vendas (mg/PCU) de 20,1% (de 162,0 mg/PCU em 2011 a 129,4 mg/PCU em 2016) com diminuições de mais de 5% e em 16 destes países (intervalo de -8,7% a -57,8%) e aumentos de mais de 5% em seis países (intervalo de 7,9% a 67,7%).

Vendas totais de agentes antimicrobianos veterinários para espécies produtoras de alimentos, de 2010 a 2016.
Vendas totais de agentes antimicrobianos veterinários para espécies produtoras de alimentos, de 2010 a 2016.

Relativamente à distribuição da PCU por espécie e país, os porcos, vacas, aves de capoeira e ovelhas/cabras representaram 32%, 31%, 14% e 14%, respectivamente.

Distribuição da unidade de correcção populacional (PCU) por espécie e país.
Distribuição da unidade de correcção populacional (PCU) por espécie e país.

Das vendas totais de antimicrobianos nos 30 países em 2016, as maiores quantidades, expressas como uma proporção de mg/PCU, foram devidas a tetraciclinas (32%), penicilinas (26%) e sulfonamidas (12%). Em geral, estas três classes representaram 70% das vendas totais. Em relação aos antimicrobianos de importância crítica para medicina humana listados pela OMS - cefalosporinas de terceira e quarta geração, quinolonas, polimixinas (apenas colistina) e macrólidos - as vendas para animais produtores de alimentos representaram 0,2%, 2,6 %, 5,1% e 7,0%, respectivamente.

Vendas, destinadas a espécies produtoras de alimentos, das diversas classes de antimicrobianos veterinários, em 2016
Vendas, destinadas a espécies produtoras de alimentos, das diversas classes de antimicrobianos veterinários, em 2016

Quanto às formas farmacêuticas utilizadas, para os tratamentos em grupo (90,1% das vendas totais), as pré-misturas representaram 40,8%, os pós orais 11,9% e as soluções orais 37,4% enquanto que para o tratamento de animais individuais (9,9%), 9,0% das vendas foram devidas a preparações injectáveis, 0,6% a preparações intramamárias e 0,3% a pastas orais, bolos e preparações intrauterinas.

As vendas de antimicrobianos de importância crítica em medicina humana mostraram uma tendência decrescente, o que contribuiu para a diminuição geral. Entre 2011 e 2016, as vendas de cefalosporinas de terceira e quarta geração diminuiram 15,4%, as polimixinas diminuiram 39,9% nos 25 países que proporcionaram dados durante este período e as vendas de quinolonas diminuiram 13,6%. Destas, as fluoroquinolonas aumentaram 6,3%, ao mesmo tempo que mostraram uma diminuição de 9,8% relativamente a 2014.

Segunda-feira, 15 de Outubro de 2018/ EMA/ União Europeia.
https://www.ema.europa.eu

Artigos relacionados

Última hora

Aumento das receitas no sector agrícola da UE29-Out-2018 há 1 anos 1 meses 7 dias
Roménia: auditoria da Comissão Europeia sobre PSA29-Out-2018 há 1 anos 1 meses 7 dias

Notícias da Segurança Alimentar

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags

Última hora

Um boletim de notícias sobre o sector da carne de porco

Não estás inscrito na lista

06-Dez-201929-Nov-201922-Nov-201915-Nov-2019

faz login e inscreve-te na lista

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui