Leia este artigo em:

UE: estabilização dos casos de salmonelose e campilobacteriose e aumento das listerioses

O número de casos notificados de salmonelose e campilobacteriose mantiveram-se estáveis nos últimos cinco anos, enquanto que os de listeriose continuam a aumentar.

6ª feira 14 Dezembro 2018 (há 8 meses 6 dias)
gosto

Após vários anos de descida, os casos de salmonelose na UE mantiveram-se estáveis. Em 2017, o número reduziu-se ligeiramente de 94425 casos para 91662, mas a tendência de descida, que começou em 2008, estagnou nos últimos anos. Estes são os principais pontos do relatório anual sobre tendências e fontes de zoonoses publicado pela Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) e do Centro Europeu para a Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC).

A S. Enteritidis é o tipo de Salmonella reportado com maior frequência em humanos, causando um em cada sete casos de transmissão alimentar. No período 2013-2017, a tendência dos casos confirmados de S. enteritidis em humanos foi estável e pareceu reflectir uma tendência análoga nas galinhas poedeiras.

Os 5079 casos transmitidos por alimentos e pela água reportados em 2017 representam uma diminuição de 6,8% em relação a 2016. A bactéria Salmonella foi a causa mais comum de casos transmitidos pelos alimentos, particularmente em produtos cárneos e ovos.

Campylobacter e Listeria

Os casos de campilobacteriose diminuiram ligeiramente em 2017 em comparação com 2016 (246158 contra 246917), mas continua a ser a doença zoonótica notificada com mais frequência na UE. A maior incidência foi detectada na carne de frango (37,4%) e carne de perú (31,5%).

Os casos de listeriose diminuiram ligeiramente em 2017: foram reportados 2480 infecções, contra as 2509 de 2016. Contudo, a tendência foi de subida nos últimos cinco anos. O grupo mais afectado pela doença em 2017 foram os idosos, em particular com mais de 84 anos. Nesta faixa etária, a taxa de mortalidade por listeriose foi de 24%. Em geral, na UE, a infecção foi fatal para um em cada 10 pacientes. Os níveis mais altos de L. monocytogenes foram detectados no peixe e nos produtos de pesca (6%), seguidos das saladas prontas a consumir (4,2%).

Quarta-Feira, 12 de Dezembro de 2018/ EFSA/ União Europeia.
http://www.efsa.europa.eu

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags

Última hora

Um boletim de notícias sobre o sector da carne de porco

Não estás inscrito na lista

02-Ago-201926-Jul-201919-Jul-201912-Jul-2019

faz login e inscreve-te na lista

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui